Announcement

Collapse
No announcement yet.

Sobre o plural de compostos

Collapse
X
  • Filter
  • Hora
  • Mostrar
Limpar tudo
new posts
  • Tomista
    • 25/09/17
    • 5

    Sobre o plural de compostos

    Colegas,



    Como é o plural de guarda-marinha? Por quê?
  • henkkantebellum
    • 22/01/14
    • 2455

    #2
    Originally posted by Tomista View Post
    Colegas,



    Como é o plural de guarda-marinha? Por quê?
    Pl: Guardas-marinhas.
    Porque a palavra "guarda-marinha" é composta de:
    guarda (substantivo)
    +
    marinha (adjetivo)
    Como são duas classes de palavras variáveis quanto ao número, ambas vão para o plural.

    Explicado?

    Comentário

    • Tomista
      • 25/09/17
      • 5

      #3
      Originally posted by henkkantebellum View Post

      Pl: Guardas-marinhas.
      Porque a palavra "guarda-marinha" é composta de:
      guarda (substantivo)
      +
      marinha (adjetivo)
      Como são duas classes de palavras variáveis quanto ao número, ambas vão para o plural.

      Explicado?
      Assim eu também li numa gramática, mas li noutra que aí "guarda" não é substantivo, mas verbo. Daí porta-bandeiras, para-brisas, guarda-barreiras etc. Na verdade, diz um gramático que li, que o elemento "para", encontrado em compostos como "para-brisas" etc., é um galicismo: o português castiço vale-se do elemento "guarda", que também é um verbo, como verbo é "porta", "para" etc.

      Comentário

      • henkkantebellum
        • 22/01/14
        • 2455

        #4
        Originally posted by Tomista View Post

        Assim eu também li numa gramática, mas li noutra que aí "guarda" não é substantivo, mas verbo. Daí porta-bandeiras, para-brisas, guarda-barreiras etc. Na verdade, diz um gramático que li, que o elemento "para", encontrado em compostos como "para-brisas" etc., é um galicismo: o português castiço vale-se do elemento "guarda", que também é um verbo, como verbo é "porta", "para" etc.
        É que depende da situação meu velho.

        Por exemplo, guarda, conforme a palavra que você colocou aqui, é um substantivo.
        https://www.dicio.com.br/guarda/
        "Pessoa que tem como função guardar algo ou vigiar alguma coisa: trabalha como guarda".

        Esse tipo de processo se chama "derivação imprópria".
        Você pega uma palavra que, originalmente, pertence a uma determinada classe gramatical e a "transfere" para outra, criando uma palavra com outro sentido e aplicação.
        No nosso caso, você pega o verbo "guarda" e transforma no substantivo "guarda".
        Logo, por "guarda" ser um substantivo, ele se torna variável quanto ao número.

        O que você tem que ver no exercício é qual a "utilização" da palavra.
        Se "guarda" é verbo ou "substantivo".
        Para "guarda-chuva", por exemplo, o plural seria "guarda-chuvas". Justamente porque "guarda" aí é verbo.

        Certinho?

        Comentário

        • LucciABC
          • 09/02/10
          • 462

          #5
          Originally posted by henkkantebellum View Post

          É que depende da situação meu velho.

          Por exemplo, guarda, conforme a palavra que você colocou aqui, é um substantivo.
          https://www.dicio.com.br/guarda/
          "Pessoa que tem como função guardar algo ou vigiar alguma coisa: trabalha como guarda".

          Esse tipo de processo se chama "derivação imprópria".
          Você pega uma palavra que, originalmente, pertence a uma determinada classe gramatical e a "transfere" para outra, criando uma palavra com outro sentido e aplicação.
          No nosso caso, você pega o verbo "guarda" e transforma no substantivo "guarda".
          Logo, por "guarda" ser um substantivo, ele se torna variável quanto ao número.

          O que você tem que ver no exercício é qual a "utilização" da palavra.
          Se "guarda" é verbo ou "substantivo".
          Para "guarda-chuva", por exemplo, o plural seria "guarda-chuvas". Justamente porque "guarda" aí é verbo.

          Certinho?
          Tanto é que, no nosso dia a dia, a gente fala "o guarda de trânsito".
          É o tipo de mudança que nem sempre está clara na norma, e acabamos tendo que prestar atenção à evolução da língua.
          Por exemplo: azaléia. Há muitas décadas atrás, era azálea. Mas a mudança normativa veio, primeiro, de uma mudança no uso da língua pelos falantes.

          Comentário

          • henkkantebellum
            • 22/01/14
            • 2455

            #6
            Originally posted by LucciABC View Post

            Tanto é que, no nosso dia a dia, a gente fala "o guarda de trânsito".
            É o tipo de mudança que nem sempre está clara na norma, e acabamos tendo que prestar atenção à evolução da língua.
            Por exemplo: azaléia. Há muitas décadas atrás, era azálea. Mas a mudança normativa veio, primeiro, de uma mudança no uso da língua pelos falantes.
            Exatamente. Hahahaha.
            Por isso tem gente que odeia Português. Sempre tem o "depende" ali, escondido nas entrelinhas kkk

            Comentário

            • Tomista
              • 25/09/17
              • 5

              #7
              Originally posted by henkkantebellum View Post

              É que depende da situação meu velho.

              Por exemplo, guarda, conforme a palavra que você colocou aqui, é um substantivo.
              https://www.dicio.com.br/guarda/
              "Pessoa que tem como função guardar algo ou vigiar alguma coisa: trabalha como guarda".

              Esse tipo de processo se chama "derivação imprópria".
              Você pega uma palavra que, originalmente, pertence a uma determinada classe gramatical e a "transfere" para outra, criando uma palavra com outro sentido e aplicação.
              No nosso caso, você pega o verbo "guarda" e transforma no substantivo "guarda".
              Logo, por "guarda" ser um substantivo, ele se torna variável quanto ao número.

              O que você tem que ver no exercício é qual a "utilização" da palavra.
              Se "guarda" é verbo ou "substantivo".
              Para "guarda-chuva", por exemplo, o plural seria "guarda-chuvas". Justamente porque "guarda" aí é verbo.

              Certinho?
              Isso é meio complicado mesmo. Considere: estudei esta matéria há muito tempo, mas levantei a dúvida porque ainda tenho curiosidade e insegurança sobre o plural de compostos como esse guarda-marinha. O gramático Carlos Nougué, para quem o plural correto é guardas-marinhas, expõe a regra de maneira que devemos procurar se os elementos do composto são de origem adjetiva, substantiva etc. para determinar o plural adequado do composto. Para ele, como já disse, o plural é guardas-marinhas, pois considera, obviamente, o elemento guarda palavra de origem substantiva (e portanto variável). Mas, pensando bem, guarda não é de origem substantiva, e sim de origem verbal, como, justamente, em guarda-barreira, guarda-cancela, guarda-costas, guarda-chaves, guarda-portão etc.

              Não vejo sentido que o plural de guarda-portão e guarda-barreira sejam, respectivamente, guarda-portões e guarda-barreiras quando o de guarda-marinha é guardas-marinhas.

              Comentário

              • Tomista
                • 25/09/17
                • 5

                #8
                Originally posted by LucciABC View Post

                Tanto é que, no nosso dia a dia, a gente fala "o guarda de trânsito".
                É o tipo de mudança que nem sempre está clara na norma, e acabamos tendo que prestar atenção à evolução da língua.
                Por exemplo: azaléia. Há muitas décadas atrás, era azálea. Mas a mudança normativa veio, primeiro, de uma mudança no uso da língua pelos falantes.
                Aí, na locução, de fato guarda é substantivo. Mas é difícil dizer que no composto guarda-marinha a mesma coisa se repete, especialmente quando comparamos a outros compostos como guarda-barreira, cujo plural que o VOLP e o dicionário Houaiss indicam é guarda-barreiras.

                Comentário


                Working...
                X