Anúncio

Anúncio Module
Collapse
No announcement yet.

Prova Cespe - Icmbio (2008)

Page Title Module
Mover Remover Collapse
X
Conversation Detail Module
Collapse
  • Filtrar
  • Hora
  • Mostrar
Limpar Tudo
new posts
  • Rafael-analista
    • 09/02/14
    • 2

    Prova Cespe - Icmbio (2008)

    Uma investigação sobre as causas das enchentes
    em Santa Catarina — e suas lições para o Brasil
    1 Uma das piores calamidades dos últimos anos
    alagou Santa Catarina e comoveu o país. O que fazer para
    que nossas cidades não fiquem tão vulneráveis?
    4 Ninguém questiona a força dos desastres naturais.
    Mas o Brasil tem capacidade técnica e experiência
    suficientes para, no mínimo, reduzir o impacto de chuvas
    7 como essa. Em Blumenau, há uma estação telemétrica que
    monitora a vazão do rio Itajaí e tem condições de emitir
    sinais de alerta para inundações. Há também um programa de
    10 monitoramento do clima — que previu até a gravidade do
    furacão Catarina, em 2004. O dilúvio ninguém previu, mas
    já chovia no estado quase a primavera toda, e estudos sobre
    13 as áreas de risco de enchentes e deslizamentos apontavam o
    que podia acontecer se chovesse demais.
    Agora que o desastre aconteceu, é importante
    16 entender por que ele foi tão grave — afinal, há muitas
    regiões com o mesmo tipo de risco no país. De todas as
    medidas já tomadas e dos estudos em curso, algumas
    19 conclusões podem ser tiradas sobre o que é preciso fazer:
    1) Conter o desmatamento nas cabeceiras dos rios
    — Em um terreno com vegetação nativa, a água das chuvas
    22 leva mais tempo para chegar ao curso d’água. As próprias
    folhas das árvores absorvem parte da chuva e reduzem o
    impacto das gotas no solo. Além disso, troncos e folhas no
    25 chão ajudam a reter a água. O solo, menos compactado,
    absorve mais água.
    2) Regularizar a ocupação dos morros — O que
    28 aumentou as perdas de vidas e os danos materiais foram
    construções de casas em áreas de encostas perigosas, as
    chamadas áreas de preservação permanente.
    31 3) Aumentar o escoamento dos rios — Foi com
    obras de retificação, alargamento e canalização da calha dos
    rios que cidades como Belo Horizonte e São Paulo
    34 conseguiram reduzir o impacto das enchentes.
    4) Monitorar as populações de risco — Obras de
    contenção de encosta, treinamento de voluntários,
    37 monitoramento da aproximação das chuvas, medição do
    índice pluviométrico por área das cidades, cálculo do grau de
    saturação do solo encharcado (prevendo-se o risco de
    40 deslizamento) estão entre as medidas que reduziram o
    número de mortes e de desabrigados em Belo Horizonte e no
    Rio de Janeiro.
    Época. 1.º/12/2008, p. 47-50 (com adaptações).
    Considerando as ideias, a estrutura e a organização gramatical do
    texto acima, julgue os itens de 1 a 10.
  • Rafael-analista
    • 09/02/14
    • 2

    #2
    Re: Prova Cespe - Icmbio (2008)

    1 As palavras “calamidades” (R.1), “desastres” (R.4) e
    “inundações” (R.9) remetem, no texto, ao termo “enchentes”,
    encontrado no título, contribuindo para a coesão textual.
    Resposta do Rafael: Errado - cada uma é relacionado a um evento especifico.

    2 Predomina, no texto, a estrutura argumentativa, em que o
    autor pretende defender a ideia de que é possível tirar lições
    a partir de tragédias como a que aconteceu em Santa
    Catarina.
    Resposta do Rafael: Certo

    3 No trecho “capacidade técnica e experiência suficientes”
    (R.5-6), caso a palavra sublinhada fosse substituída por
    bastante, a concordância se faria no singular, uma vez que
    esta palavra funcionaria como advérbio.
    Resposta: eu acho que é certa mas fiquei na dúvida.

    4 Por “estação telemétrica” (R.7) entende-se um local onde se
    encontram equipamentos capazes de medir ondas emitidas
    por aparelhos de telecomunicação.
    Resposta: Correta

    5 A vírgula imediatamente antes de “e estudos sobre as áreas
    de risco” (R.12-13) não precisa ser necessariamente
    empregada, já que se trata de um processo de coordenação,
    mas se justifica pelo fato de criar ênfase sobre o fato de os
    estudos poderem prever os acontecimentos futuros.
    Resposta: Correto?

    6 Na expressão “curso d’água”, o apóstrofo marca a elisão da
    vogal final da preposição.
    Resposta: Correto? Isso ainda nao estudei mas como curso de água o de é a preposição acho que esta certo.

    7 O paralelismo sintático é um dos fatores de coesão textual.
    Um exemplo de paralelismo sintático no texto é dado pelo
    fato de todos os itens enumerados serem iniciados por verbos
    no infinitivo.
    Resposta: paralelismo sintático? Alguém me explica?

    8 Os substantivos derivados dos verbos que iniciam os itens da
    enumeração sobre “o que é preciso fazer” (R.19) são
    formados pelo acréscimo do sufixo -ção.
    Resposta: errado.

    9 Como síntese das ideias contidas no texto, apresenta-se o
    fato de que as quatro medidas apontadas, se adotadas
    conjuntamente, podem eliminar de vez os impactos das
    enchentes no Brasil.
    Resposta: errado

    10 Caso o texto estivesse sendo escrito no formato de uma
    carta, enviada por um funcionário público para o governador
    do estado de Santa Catarina, o pronome de tratamento a ser
    empregado como vocativo seria Vossa Eminência.
    Resposta: Errado, o certo seria VOSSA EXCELÊNCIA

    Comentário



    Working...
    X