Anúncio

Anúncio Module
Collapse
No announcement yet.

Vamos falar das provas discursivas??

Page Title Module
Mover Remover Collapse
X
Conversation Detail Module
Collapse
  • Filtro
  • Tempo
  • Mostrar
Limpar Tudo
new posts
  • Lanlan Marsula
    • 02/09/07
    • 3927

    Vamos falar das provas discursivas??

    PRINCIPAIS CONSIDERAÇÕES

    Escrever é um bicho-de-sete-cabeças? Não, não é! Você deve ter em mente que o mais importante é a clareza, o texto leve e fluido, que não cansa, que apenas informa.

    A nossa máxima: menos é mais! O essencial sempre se sobressai. O texto cheio de palavras esquisitas, difíceis, dificulta a compreensão. Devemos evitar isso a qualquer custo.

    Coisa muito importante é a organização de ideias, quando você as planeja, o texto vira uma sequência lógica. Se você não organiza o texto, acaba repetindo ideias, o que dificulta o entendimento do texto. Por isso faça sempre o seu projeto de redação, vale a pena gastar 5 minutos para isso, a garantia é o bom resultado.

    Unidade temática tem tudo a ver com o projeto de redação, e manter a unidade temática ajuda o examinador a perceber quando começa e quando termina um assunto. A redação equilibrada dedica um parágrafo para cada assunto. Introdução – desenvolvimentos – conclusão.

    E por falar em conclusão, por que você não gosta de fazer a conclusão? Jamais esqueça a conclusão, ela é essencial – lembre que a tia Eliza no primário já dizia: redação tem começo, meio e fim. O fim é a conclusão.

    Um problema que reparo nas correções de redação: a pontuação. O ritmo do texto é importantíssimo, isso é indiscutível. O uso correto da vírgula já salvou vidas, e pode salvar o seu texto. Atente para as principais regras de uso, inclusive do ponto e vírgula, o que nessas redações técnicas é um recurso muito importante. Ah, é muito chique e elegante um texto com um travessão e vírgula (-,) não é? É moderníssimo, eu acho! Mas só use se souber usar.

    A sigla usada pela ESAF - SDC, é a tal sintaxe de construção e é, na verdade, a coesão prejudicada. Ela pode aparecer, às vezes, porque se usa a correlação errada, ao se retomar palavra ou ideia incorreta. Outras vezes, porque alguns adoram usar “o mesmo” com função de pronome, jamais faça isso. Vou usar um artifício e prometo que essa ninguém mais esquece. Todo mundo usa elevador, correto? Sabem aquela plaquinha obrigatória: “ao entrar no elevador verifique se o mesmo encontra-se parado neste andar” COISA HORROROSA! Esse “mesmo” está sendo usado no lugar de um pronome pessoal. Obviamente que “mesmo” também pode ser usado como pronome, mas isso só acontece quando ele tem o significado de “próprio” – ele mesmo fez a redação = ele próprio fez a redação. Não esqueçam jamais! Verifique depois aquela regrinha do “esse, este, aquele”, isso é importante.

    O bicho papão se chama paralelismo, isso mesmo. Tenho certeza de que muitos jamais ouviram falar em paralelismo, e, talvez por isso, cometam algumas atrocidades com o texto, que são imperceptíveis à maioria, mas não ao examinador. Paralelismo é o encadeamento lógico, equilibrado do texto. Podemos falar em paralelismo sintático e semântico, o primeiro trata da parte gramatical, o segundo da coerência textual de forma geral. Chamo paralelismo de bicho papão porque o examinador (ESAF) coloca um “COV” na correção e não dá satisfação ao aluno, que, inocente que é, acha que sofreu uma enorme injustiça, quando na verdade ele é que foi injusto com nossa querida língua portuguesa.

    Também gera “COV” o estilo prejudicado por queísmo, eco, redundância e impropriedade vocabular , defeitos que retiram do texto toda elegância que ele pode ter.

    Queísmo – repetição exagerada do “que”;

    Eco – repetição de terminações como “ao”, “cão”, “mente”, “para” e “ancia”;

    Redundância – “Atualmente nos dias de hoje, as coisas andam difíceis” – difíceis mesmo! ;

    Impropriedade vocabular – gírias, metáforas, palavras usadas com significados errados;

    Cacofonia – combinações de palavras formando som desagradável: “enquanto que”, “que é que”.

    E incoerência? O que é exatamente? Incoerência são ideias desconexas, ou sugestões do que é improvável. Sequências erradas, frases incompletas, mudanças abruptas de assunto podem provocar incoerência.

    DICAS LEGAIS

    1. Vc. deve evitar abrev., etc.

    2. Desnecessário faz-se empregar estilo de escrita demasiadamente rebuscado, segundo deve ser do conhecimento inexorável dos copidesques. Tal prática advém de esmero excessivo que beira o exibicionismo narcisístico.

    3. Anule aliterações altamente abusivas.

    4. “não se esqueça das maiúsculas”, como já dizia dona loreta, minha professora lá no colégio alexandre de gusmão, no ipiranga.

    5. Evite lugares-comuns assim como o diabo foge da cruz.

    6. O uso de parênteses (mesmo quando for relevante) é desnecessário.

    7. Estrangeirismos estão out; palavras de origem portuguesa estão in.

    8. Chute o balde no emprego de gíria, mesmo que sejam maneiras, tá ligado?

    9. Palavras de baixo calão podem transformar seu texto numa merda.

    10. Nunca generalize: generalizar, em todas as situações, sempre é um erro.

    11. Evite repetir a mesma palavra, pois essa palavra vai ficar uma palavra repetitiva. A repetição da palavra vai fazer com que a palavra repetida desqualifique o texto onde a palavra se encontra repetida.

    12. Não abuse das citações. Como costuma dizer meu amigo: “Quem cita os outros não tem idéias próprias”.

    13. Frases incompletas podem causar

    14. Não seja redundante, não é preciso dizer a mesma coisa de formas diferentes; isto é, basta mencionar cada argumento uma só vez. Em outras palavras, não fique repetindo a mesma idéia.

    15. Seja mais ou menos específico.

    16. Frases com apenas uma palavra? Jamais!

    17. A voz passiva deve ser evitada.

    18. Use a pontuação corretamente o ponto e a vírgula especialmente será que ninguém sabe mais usar o sinal de interrogação

    19. Quem precisa de perguntas retóricas?

    20. Conforme recomenda a A.G.O.P, nunca use siglas desconhecidas.

    21. Exagerar é cem bilhões de vezes pior do que a moderação.

    22. Evite mesóclises. Repita comigo: “mesóclises: evitá-las! -ei!”

    23. Analogias na escrita são tão úteis quanto chifres numa galinha.

    24. Não abuse das exclamações! Nunca! Seu texto fica horrível!

    25. Evite frases exageradamente longas, pois estas dificultam a compreensão da idéia contida nelas, e, concomitantemente, por conterem mais de uma idéia central, o que nem sempre torna o seu conteúdo acessível, forçando, desta forma, o pobre leitor a separá-la em seus componentes diversos, de forma a torná-las compreensíveis, o que não deveria ser, afinal de contas, parte do processo da leitura, hábito que devemos estimular através do uso de frases mais curtas.

    26. Cuidado com a hortografia, para não estrupar a língüa portuguêza.

    27. Seja incisivo e coerente, ou não.”

    Acho que essa lista, guardadas as proporções, é o resumo de tudo que precisamos atentar ao escrevermos um bom texto. E se você esquecer tudo o que escrevi aqui, tente resgatar pelo menos uma ideia: clareza e concisão.

    Espero que tenha ajudado com esse pequeno texto.


    Um abraço,

    Lanlan.
  • francinha
    • 10/02/10
    • 93

    #2
    Re: Vamos falar das provas discursivas??

    Boa tarde professor, gostaria de saber se, em uma dissertação, é necessário citar posicionamento de autores e até mesmo testemunhos de pessoas que deram entrevista . Tenho muita dificuldade na hora da prova, quase sempre não lembro do nome dos autores ou fico com medo de citar errado.

    Abraço

    Comentário

    • Thibar
      • 23/04/10
      • 36

      #3
      Re: Vamos falar das provas discursivas??

      Muito bom!
      Não sabia que ele/ela era professor(a).

      Comentário

      • Lanlan Marsula
        • 02/09/07
        • 3927

        #4
        Re: Vamos falar das provas discursivas??

        Postado Originalmente por francinha Ver Post
        Boa tarde professor, gostaria de saber se, em uma dissertação, é necessário citar posicionamento de autores e até mesmo testemunhos de pessoas que deram entrevista . Tenho muita dificuldade na hora da prova, quase sempre não lembro do nome dos autores ou fico com medo de citar errado.

        Abraço

        Olá francinha!

        Sou menina! Só cite fontes confiáveis e que tenham realmente algum peso. Por exemplo, eu citaria um doutrinador famoso, mas tem que ser muito famoso, muito reconhecido, uma verdadeira autoridade, não pode ser alguém que só vc e mais algumas pessoas conheçam. Jamais citaria o nome de pessoas de uma entrevista, mas se a base da discursiva envolver esse tipo de informação, não haverá problemas.

        Agora, se você não lembrar o nome da fonte, cale-se porque pior do que fazer uma citação errada é dar nomes errados aos bois rsrs

        Se você lembrar a citação use mas não lembrar quem falou de uma enrolada do tipo:

        É sabido que blablablá ... acho q é uma saída.

        Isso fica muito fácil com treino e retreino.

        Bons estudos e boa sorte nas discursivas.

        Lanlan

        Comentário

        • francinha
          • 10/02/10
          • 93

          #5
          Re: Vamos falar das provas discursivas??

          Obrigada professora Lanlan, suas informações foram muito boas.
          Me deculpe por ter te chamado de professor! No corre-corre acabei digitando errado.

          Abraço

          Comentário

          • concurseira RJ
            • 09/07/10
            • 156

            #6
            Re: Vamos falar das provas discursivas??

            Gente,
            Alguém poderia me ajudar?...
            Vou fazer um concurso aqui pro Rio e haverá uma questão discursiva. O problema é que, segundo o edital, a questão deverá ser elaborada conforme um texto técnico. Eu pesquisei na internet e não encontrei nenhuma informação que eu pudesse aplicar na prova. Eu não sei se a elaboração de um texto técnico é feita da mesma forma que uma prova dissertativa.
            Assim diz o edital:
            6.5. A Prova Discursiva consiste na redação de um texto técnico a ser preparado pelo candidato e destina-se a avaliar o conhecimento do candidato, assim como a sua capacidade de utilizar regras ortográficas e gramaticais, respeitando os critérios de fundamentação teórica, coerência, coesão textual, objetividade, clareza e correção da linguagem.
            6.5.1 Serão apresentados aos candidatos três temas que versarão sobre as disciplinas de Finanças Públicas e Orçamento Público. O candidato deverá escolher apenas um deles e, sobre ele, redigir o texto.
            6.5.2. O texto da Prova Discursiva deverá conter o mínimo de 30 (trinta) linhas e o máximo de 40 (quarenta) linhas, com formato de Nota Técnica ou Relatório.

            Vejam que o item 6.5.1 diz que o texto terá formato de nota técnica ou relatório. O que é isso???
            SE alguém puder me ajudar, eu agradeço muito!

            Comentário





            Working...
            X