Anúncio

Anúncio Module
Collapse
No announcement yet.

Ajuste de avaliação patrimonial

Page Title Module
Mover Remover Collapse
X
Conversation Detail Module
Collapse
  • Filtro
  • Tempo
  • Mostrar
Limpar Tudo
new posts
  • ronaldo
    • 16/12/06
    • 2072

    Ajuste de avaliação patrimonial

    1) Uma empresa adquiriu em 31/10/X9 um ativo financeiro no valor de R$ 5.000,00, classificado na data de aquisição em “mantido
    até o vencimento”. Este título remunera à taxa de 1% ao mês e o seu valor justo, um mês após a sua aquisição, era de
    R$ 5.080,00. De acordo com estas informações, em 30/11/X9, a empresa deveria registrar

    (A) na Demonstração de Resultado, receita financeira de R$ 80,00.

    (B) no Patrimônio Líquido, ajuste de avaliação patrimonial de R$ 30,00.

    (C) na Demonstração de Resultado, receita financeira de R$ 50,00 e no Patrimônio Líquido, ajuste de avaliação patrimonial de
    R$ 30,00 (saldo credor).

    (D) na Demonstração de Resultado, receita financeira de R$ 80,00 e no Patrimônio Líquido, ajuste de avaliação patrimonial de
    R$ 30,00 (saldo devedor).

    (E) na Demonstração de Resultado, receita financeira de R$ 50,00.

    GAB E

    Nesta questão não se deveria considerar também o ajuste de avaliação patrimonial de 30, não?


    2) Em 31/12/X1, a empresa JJD realizou uma venda no valor de R$ 50.000,00, para ser recebida em 31/01/X3. Sabe-se que o
    prazo, normalmente concedido pela empresa é de 60 dias e que se a venda fosse feita à vista seu valor seria de R$ 42.000,00
    (valor presente). De acordo com a legislação vigente e sabendo que a empresa utiliza conta redutora de ativo para registrar a
    operação, ela deveria reconhecer no momento da venda, em reais, receita de vendas de

    (A) 50.000,00 e duplicatas a receber de 50.000,00.
    (B) 50.000,00 e despesa financeira de 8.000,00.
    (C) 42.000,00 e duplicatas a receber de 42.000,00.
    (D) 42.000,00 e duplicatas a receber de 50.000,00.
    (E) 42.000,00 e receita financeira de 8.000,00.

    GAB D

    Nesta eu boiei. Dar pra explicar a resposta do gab.
  • Luciano Rosa
    • 13/12/06
    • 2960

    #2
    Re: Ajuste de avaliação patrimonial

    ) Uma empresa adquiriu em 31/10/X9 um ativo financeiro no valor de R$ 5.000,00, classificado na data de aquisição em “mantido
    até o vencimento”. Este título remunera à taxa de 1% ao mês e o seu valor justo, um mês após a sua aquisição, era de
    R$ 5.080,00. De acordo com estas informações, em 30/11/X9, a empresa deveria registrar

    (A) na Demonstração de Resultado, receita financeira de R$ 80,00.

    (B) no Patrimônio Líquido, ajuste de avaliação patrimonial de R$ 30,00.

    (C) na Demonstração de Resultado, receita financeira de R$ 50,00 e no Patrimônio Líquido, ajuste de avaliação patrimonial de
    R$ 30,00 (saldo credor).

    (D) na Demonstração de Resultado, receita financeira de R$ 80,00 e no Patrimônio Líquido, ajuste de avaliação patrimonial de
    R$ 30,00 (saldo devedor).

    (E) na Demonstração de Resultado, receita financeira de R$ 50,00.

    GAB E

    Nesta questão não se deveria considerar também o ajuste de avaliação patrimonial de 30, não?


    Olá, Ronaldo

    Olha só:

    Instrumentos financeiros:

    Mantidos até o vencimento: Avalia pela curva do papel, ou seja, só contabiliza os juros e eventuais variações monetárias. Vai para o resultado.

    Destinados à negociação imediata: Avalia pelo valor justo. Os ganhos ou perdas vão para o resultado.

    Disponíveis para venda futura: Avalia pelo valor justo. Os rendimento e variações monetária (curva do papel) vão para o resultado. Aí, a diferença entre o valor já atualizado pelos rendimentos e o valor justo vai para o PL (ajuste de avaliação patrimonial).

    No e-book que eu e o Gabriel escrevemos, tem um anexo explicando isso. Dê uma conferida:

    ANEXO 2 - Instrumentos Financeiros – classificação, avaliação e contabilização

    Os instrumentos financeiros são classificados em 4 grandes grupos:

    1) Empréstimos e recebíveis normais de transações comuns, como contas a receber de clientes, fornecedores, contas e impostos a pagar etc., que continuam registrados pelos seus valores originais conforme regras anteriores, sujeitos às provisões para perdas e ajuste a valor presente (no caso de esse efeito ser relevante). Não estão destinados à negociação e a entidade fica com eles até seu vencimento. A apropriação de receita ou despesa para esses instrumentos se dá pela taxa efetiva de juros.

    2) Investimentos mantidos até o vencimento, aqueles para os quais a entidade demonstre essa intenção e mostre, objetivamente, que tem condições de manter essa condição, que continuam também como antes: registrados pelo valor original mais os encargos ou rendimentos financeiros (ou seja, ao “custo amortizado”. “pela curva”). A apropriação de receita ou despesa para esses instrumentos se dá pela taxa efetiva de juros.

    3) Ativo financeiro ou passivo financeiro mensurado ao valor justo por meio do resultado, composto pelos ativos e passivos financeiros destinados a serem negociados e já colocados nessa condição de negociação, a serem avaliados ao seu valor justo (normalmente valor de mercado), com todas as contrapartidas das variações nesse valor contabilizadas diretamente no resultado.

    4) Ativos financeiros disponíveis para venda, constituído pelos a serem negociados no futuro, a serem registrados pelo “custo amortizado” e, após isso, ajustados ao valor justo. As contrapartidas do ajuste pela curva (encargos e rendimentos financeiros) vão ao resultado e, após isso, os ajustes ao valor justo ficam na conta de patrimônio líquido ajustes de variação patrimonial até que os ativos e passivos sejam reclassificados para o item anterior ou efetivamente negociados, o que ocorrer primeiro.
    --------xx----------
    Como a denominação dos tipos de instrumentos financeiros é uma tradução do original em inglês, fica difícil entender a diferença entre “destinados à negociação” e “disponíveis para venda”.
    O FIPECAFI, através do Suplemento do “Manual de Contabilidade das Sociedades por Ações”, 1a. Edição, sugere que tais instrumentos sejam chamados de “Destinados à negociação imediata” e “disponíveis para venda futura”, o que destaca bem a diferença entre eles.

    Vamos examinar a avaliação e a contabilização, através do seguinte exemplo :

    Suponha que uma determinada empresa adquiriu 3 títulos do Governo, ao valor unitário de 10.000 cada um, com a seguinte finalidade:
    Título 1 : será mantido até o vencimento.
    Título 2 – classificado como “destinado à negociação imediata”
    Título 3 – classificado como “disponível para venda futura”.
    Contabilização no momento da compra:
    D – Instrumentos financeiros “mantidos até o vencimento”...........................10.000
    D – Instrumentos financeiros “ destinados à negociação imediata” ................10.000
    D – Instrumentos financeiros “disponíveis para venda futura”........................10.000
    C – Caixa............................................. .................................................. ...........30.000
    No final do ano, tais títulos apresentam um rendimento de juros de 600 reais, os quais serão pagos no vencimento do título, e o seu valor justo é de 11.000 reais.

    Contabilização :
    1 – mantido até o vencimento :
    D – Instrumentos financeiros “mantidos até o vencimento”..........................600
    C – Receita de juros (resultado)....................................... ...............................600
    Obs; neste caso, não há avaliação a valor justo. O título fica registrado “pela curva”, ou “pelo custo amortizado”, ou seja, pelo valor pago mais os rendimentos apropriados por competência.
    ------------xx-------------
    2 – Destinado à negociação imediata:

    pelo rendimento :
    D – Instrumentos financeiros “ destinados à negociação imediata” .........600
    C – Receita de juros (resultado)....................................... ..........................600

    Com este lançamento, o Título fica registrado pelo valor de 10.600. Mas, como o valor justo é de 11.000, precisamos reconhecer uma receita de 400 reais, também no resultado:

    Pela avaliação a valor justo:
    D – Instrumentos financeiros “ destinados à negociação imediata” .........400
    C – Ajuste a valor justo (resultado)....................................... .....................400
    -------------xx-----------
    3- Disponível para venda futura
    pelo rendimento :
    D – Instrumentos financeiros “disponíveis para venda futura”.................600
    C – Receita de juros (resultado)....................................... ..........................600

    Pela avaliação a valor justo:
    D – Instrumentos financeiros “disponíveis para venda futura”................400
    C – Ajuste de Avaliação Patrimonial (PL).............................................. .400
    ============xx========
    O valor justo pode ser menor que o valor do título. Por exemplo, vamos supor que o valor justo do exemplo anterior seja 10.500.
    Título 1 – “mantido até o vencimento” – não há alteração, pois esta categoria não é avaliada pelo valor justo.
    ----------xx------------------
    Titulo 2 : “Destinado à negociação imediata”:
    pelo rendimento :
    D – Instrumentos financeiros “ destinados à negociação imediata” .........600
    C – Receita de juros (resultado)....................................... ..........................600
    Com este lançamento, o Título fica registrado pelo valor de 10.600. Mas, como o valor justo é de 10.500, precisamos reconhecer uma despesa de 100 reais, também no resultado:

    Pela avaliação a valor justo:
    D – Despesa de ajuste a valor justo (resultado)....................................... ..100
    C – Instrumentos financeiros “ destinados à negociação imediata” ......... 100
    -----------xx----------
    Título 3 – Disponível para venda futura :
    pelo rendimento :
    D – Instrumentos financeiros “disponíveis para venda futura”.................600
    C – Receita de juros (resultado)....................................... ..........................600

    Pela avaliação a valor justo:
    D – Ajuste de Avaliação Patrimonial (PL).............................................. .100
    C – Instrumentos financeiros “disponíveis para venda futura”................100

    ------------xx------------

    Ronaldo, você não vai prestar o TCM CE ? O e-book, com 201 questões resolvidas,é para esse concurso e o ICMS RO ( o programa de contaba está idêntico, nesse concursos.)

    O material que postei acima é o Anexo 2.

    No Anexo 1, mandamos os principais artigos da lei 6404/76 atualizados.

    E no anexo 3, material teórico sobre "Aspectos contratuais da contabilidade. Relação Agente-Principal".

    O preço? 20 reais.

    Se alguém se interessar, por favor mande um e-mail para

    contabilidadeparaconcursos@hotmail.com

    Um abraço

    Kazuo

    Comentário

    • Luciano Rosa
      • 13/12/06
      • 2960

      #3
      Re: Ajuste de avaliação patrimonial

      2) Em 31/12/X1, a empresa JJD realizou uma venda no valor de R$ 50.000,00, para ser recebida em 31/01/X3. Sabe-se que o prazo, normalmente concedido pela empresa é de 60 dias e que se a venda fosse feita à vista seu valor seria de R$ 42.000,00
      (valor presente). De acordo com a legislação vigente e sabendo que a empresa utiliza conta redutora de ativo para registrar a operação, ela deveria reconhecer no momento da venda, em reais, receita de vendas de

      (A) 50.000,00 e duplicatas a receber de 50.000,00.
      (B) 50.000,00 e despesa financeira de 8.000,00.
      (C) 42.000,00 e duplicatas a receber de 42.000,00.
      (D) 42.000,00 e duplicatas a receber de 50.000,00.
      (E) 42.000,00 e receita financeira de 8.000,00.

      GAB D

      Nesta eu boiei. Dar pra explicar a resposta do gab.

      Olá, Ronaldo

      A contabilização fica assim:

      D - Duplicatas a receber (ativo) .................................50.000
      C - Ajuste a valor presente (retificadora do ativo)...........(8.000)
      C - Receita de Vendas (resultado)...............................42.000

      passado um mês, contabiliza a receita financeira pro rata temporis

      Assim:

      D - Ajuste a valor presente (retificadora do ativo)
      C - Receita financeira (resultado)

      Até zerar a conta retificadora e receber os 50.000.

      Fica contabilizado 42.000 como receita de vendas e 8000 como receita financeira apropriada por competência

      Escrevi um artigo sobre isso no EVP, confira:

      http://www.euvoupassar.com.br/visao/...ta.php?id=2693

      Ronaldo, qualquer coisa, volte ao assunto, ok?

      Um abraço

      Kazuo

      Comentário

      • ronaldo
        • 16/12/06
        • 2072

        #4
        Re: Ajuste de avaliação patrimonial

        Kazuo, sempre prestativo. Obrigado.

        Comentário

        • ronaldo
          • 16/12/06
          • 2072

          #5
          Re: Ajuste de avaliação patrimonial

          Kazuo só mais uma dúvida quanto a questão abaixo:

          2) Em 31/12/X1, a empresa JJD realizou uma venda no valor de R$ 50.000,00, para ser recebida em 31/01/X3. Sabe-se que o prazo, normalmente concedido pela empresa é de 60 dias e que se a venda fosse feita à vista seu valor seria de R$ 42.000,00
          (valor presente). De acordo com a legislação vigente e sabendo que a empresa utiliza conta redutora de ativo para registrar a operação, ela deveria reconhecer no momento da venda, em reais, receita de vendas de

          (A) 50.000,00 e duplicatas a receber de 50.000,00.
          (B) 50.000,00 e despesa financeira de 8.000,00.
          (C) 42.000,00 e duplicatas a receber de 42.000,00.
          (D) 42.000,00 e duplicatas a receber de 50.000,00.
          (E) 42.000,00 e receita financeira de 8.000,00.

          Vendo a aula de um professor, ele afirmou que o lançamento de 50.000 em duplicatas a receber estaria errada, uma vez que não é exatamente esse valor que deve constar nessa conta.

          Até porque também a propria banca considerou a valor presente 42.000 para receita de vendas , e por que considerou 50.000 em duplicatas a receber? Não haveria aí uma incongruência?

          E para não haver essa incongruência, não deveria está presente na alternativa a conta redutora de que fala o enunciado,e como feito por você:

          D- duplicatas a receber 50.000
          C- AVP ( 8.000)
          C- Receita de vendas 42.000

          E este lançamento seria o lançamento no momento da venda, ok?

          Comentário

          • natiee
            • 28/08/09
            • 255

            #6
            Re: Ajuste de avaliação patrimonial

            Professor, neste seu artigo que o senhor citou, fiquei com uma dúvida. Está lá exemplifcado que quando a empresa COMPRA a mercadoria, teria este lançamento:

            D – Mercadoria (AC).............................................. ...........31.086
            C – Fornecedores (PELP)............................................ .....50.000
            D – Provisão para ajuste a valor presente(PELP)..........18.914

            Entretanto no livro do Moraes Junior, li que TODA a conta de provisão tem natureza credora. Assim sendo, não seria mais correto, ao invés de utilizar "Provisão para ajuste a valor presente", utilizar Juros a transcorrer?

            Comentário

            • ronaldo
              • 16/12/06
              • 2072

              #7
              Re: Ajuste de avaliação patrimonial

              Kazuo, vc por acaso preparou alguma apostila de Analise das demosntraçoes contabeis, igual a esse material de CG, pro tcm ce?

              Comentário

              • Luciano Rosa
                • 13/12/06
                • 2960

                #8
                Re: Ajuste de avaliação patrimonial

                Postado Originalmente por natiee Ver Post
                Professor, neste seu artigo que o senhor citou, fiquei com uma dúvida. Está lá exemplifcado que quando a empresa COMPRA a mercadoria, teria este lançamento:

                D – Mercadoria (AC).............................................. ...........31.086
                C – Fornecedores (PELP)............................................ .....50.000
                D – Provisão para ajuste a valor presente(PELP)..........18.914

                Entretanto no livro do Moraes Junior, li que TODA a conta de provisão tem natureza credora. Assim sendo, não seria mais correto, ao invés de utilizar "Provisão para ajuste a valor presente", utilizar Juros a transcorrer?
                Olá, Natie

                Você tem razão. Juros a Transcorrer é a terminologia mais adequada. Vou tentar alterar o artigo.

                Obrigado pelo alerta!

                Um abraço

                Kazuo

                Comentário

                • Luciano Rosa
                  • 13/12/06
                  • 2960

                  #9
                  Re: Ajuste de avaliação patrimonial

                  Postado Originalmente por ronaldo Ver Post
                  Kazuo, vc por acaso preparou alguma apostila de Analise das demosntraçoes contabeis, igual a esse material de CG, pro tcm ce?
                  Olá, Ronaldo

                  Não. O único material de Analise de Balanço que preparei foi para a editora, que já lançou uma apostila junto com outras matérias.

                  Obrigado pelo interesse.

                  Um abraço

                  Kazuo

                  Comentário

                  • Luciano Rosa
                    • 13/12/06
                    • 2960

                    #10
                    Re: Ajuste de avaliação patrimonial

                    Postado Originalmente por ronaldo Ver Post
                    Kazuo só mais uma dúvida quanto a questão abaixo:

                    2) Em 31/12/X1, a empresa JJD realizou uma venda no valor de R$ 50.000,00, para ser recebida em 31/01/X3. Sabe-se que o prazo, normalmente concedido pela empresa é de 60 dias e que se a venda fosse feita à vista seu valor seria de R$ 42.000,00
                    (valor presente). De acordo com a legislação vigente e sabendo que a empresa utiliza conta redutora de ativo para registrar a operação, ela deveria reconhecer no momento da venda, em reais, receita de vendas de

                    (A) 50.000,00 e duplicatas a receber de 50.000,00.
                    (B) 50.000,00 e despesa financeira de 8.000,00.
                    (C) 42.000,00 e duplicatas a receber de 42.000,00.
                    (D) 42.000,00 e duplicatas a receber de 50.000,00.
                    (E) 42.000,00 e receita financeira de 8.000,00.

                    Vendo a aula de um professor, ele afirmou que o lançamento de 50.000 em duplicatas a receber estaria errada, uma vez que não é exatamente esse valor que deve constar nessa conta.

                    Até porque também a propria banca considerou a valor presente 42.000 para receita de vendas , e por que considerou 50.000 em duplicatas a receber? Não haveria aí uma incongruência?

                    E para não haver essa incongruência, não deveria está presente na alternativa a conta redutora de que fala o enunciado,e como feito por você:

                    D- duplicatas a receber 50.000
                    C- AVP ( 8.000)
                    C- Receita de vendas 42.000

                    E este lançamento seria o lançamento no momento da venda, ok?
                    Olá, Ronaldo

                    Vamos por partes: o objetivo do ajuste a valor presente é separar o que é receita de venda (no caso, 42.000) da receita financeira (8.000). O valor de duplicatas a receber é de 50.000. A nf. foi emitida nesse valor, a duplicata é desse valor e é isso que o cliente vai pagar.

                    Ocorre que se a venda fosse a vista, o valor seria de 42.000. Essa é a receita da venda. Os outros 8.000 são receitas financeiras (juros) que devem ser apropriadas por competência, ao longo do tempo.

                    Em outras palavras, no momento da venda, a empresa recenhece receita comercial (de venda) de 42.000, reconhece duplicatas a receber de 50.000 ( vai receber esse valor no futuro) e lança a diferença (8000) como juros a transcorrer (veja a resposta à Natie, acima)

                    Aí, vai reconhecendo a receita financeira ao longo do tempo.

                    Se fosse compra de ativo, seria a mesma coisa, com a diferença que teria uma despesa financeira para reconhecer ao longo do tempo.

                    Ronaldo, qualquer dúvida, volte ao assunto, ok?

                    Um abraço

                    Kazuo

                    Comentário

                    • ronaldo
                      • 16/12/06
                      • 2072

                      #11
                      Re: Ajuste de avaliação patrimonial

                      Kazuo, obrigado. Entendi.

                      Comentário

                      Working...
                      X