Anúncio

Anúncio Module
Collapse
No announcement yet.

Contabilização de PIS/PASEP COFINS

Page Title Module
Mover Remover Collapse
X
Conversation Detail Module
Collapse
  • Filtrar
  • Hora
  • Mostrar
Limpar Tudo
new posts
  • Fernando Mineiro
    • 14/08/07
    • 243

    Contabilização de PIS/PASEP COFINS

    Pessoal,

    Comparando a forma com que são efetuados os lançamentos do ponto de vista do comprador com os lançamentos do ponto de vista do vendedor fiquei meio confuso.

    Exemplo:

    A empresa industrial GAMA vende um lote de 1.000 cadeiras a um custo unitário de R$ 20,00 cada, para o revendedor BETA, sendo IPI de 10%, PIS/PASEP de 1,65% COFINS de 7,6% e ICMS 20%

    COMPRADOR (BETA):

    D – mercadorias 79.825,00
    D - ICMS a recuperar 20.000,00 (20% de 100.000,00)*
    D - PIS a recuperar 1.815,00 (1,65% de 110.000,00)**
    D - CONFINS a recuperar 8.360,00 (7,6% de 110.000,00)**
    C – caixa 110.000,00

    * IPI não integra a base cálculo do ICMS.
    ** IPI não recuperável integra o cálculo das contribuições PIS e COFINS a recuperar


    VENDEDOR (GAMA)

    D – caixa 110.000,00
    C – vendas 100.000,00
    C – IPI a recolher 10.000,00

    D - PIS sobre vendas 1.650,00 (1,65% de 100.000,00) ***
    D - COFINS sobre vendas 7.600,00 (7,6% de 100.000,00)***
    D - ICMS sobre vendas 20.000,00

    C – PIS a recolher 1.650,00
    C – COFINS a recolher 7.600,00
    C – ICMS a recolher 20.000,00


    *** Nas operações de venda, o IPI não compõe a base de cálculo do PIS e da COFINS.

    Minhas dúvidas

    1) As premissas que coloquei nos (*) (**) (***) foram retiradas de um material de contabilidade de 2003, elas ainda estão corretas de acordo com a legislação atual?

    2) Os valores PIS e COFINS a recuperar (do comprador) são maiores do que os valores recolhidos pelo vendedor. Isso não me parece lógico! Porque o crédito que objetiva a não cumulatividade seria maior do que o já recolhido?
  • Auditor_PI
    • 16/05/07
    • 128

    #2
    Re: Contabilização de PIS/PASEP COFINS

    1) As premissas que coloquei nos (*) (**) (***) foram retiradas de um material de contabilidade de 2003, elas ainda estão corretas de acordo com a legislação atual?
    R. Sim, estão de acordo com as leis nºs 10.637/02 (não cumulatividade do pis) e 10.833/03 (não cumulatividade da cofins).

    2) Os valores PIS e COFINS a recuperar (do comprador) são maiores do que os valores recolhidos pelo vendedor. Isso não me parece lógico! Porque o crédito que objetiva a não cumulatividade seria maior do que o já recolhido?
    R. Porque a empresa compradora é uma empresa comercial e portanto não tem o direito de recuperar o IPI sobre as compras. O IPI representa uma despesa para ela, devendo ser somado ao valor dos produtos para compor o custo da compra. Na empresa vendedora, diversamente, o IPI é recuperável não integrando a base de cálculo do PIS/COFINS.

    Comentário

    • piassa
      • 25/11/06
      • 1565

      #3
      Re: Contabilização de PIS/PASEP COFINS

      Postado Originalmente por Fernando Mineiro
      Pessoal,

      Comparando a forma com que são efetuados os lançamentos do ponto de vista do comprador com os lançamentos do ponto de vista do vendedor fiquei meio confuso.

      Exemplo:

      A empresa industrial GAMA vende um lote de 1.000 cadeiras a um custo unitário de R$ 20,00 cada, para o revendedor BETA, sendo IPI de 10%, PIS/PASEP de 1,65% COFINS de 7,6% e ICMS 20%

      COMPRADOR (BETA):

      D – mercadorias 79.825,00
      D - ICMS a recuperar 20.000,00 (20% de 100.000,00)*
      D - PIS a recuperar 1.815,00 (1,65% de 110.000,00)**
      D - CONFINS a recuperar 8.360,00 (7,6% de 110.000,00)**
      C – caixa 110.000,00

      * IPI não integra a base cálculo do ICMS.
      Correto
      ** IPI não recuperável integra o cálculo das contribuições PIS e COFINS a recuperar
      correto

      VENDEDOR (GAMA)

      D – caixa 110.000,00
      C – vendas 100.000,00
      C – IPI a recolher 10.000,00

      D - PIS sobre vendas 1.650,00 (1,65% de 100.000,00) ***
      D - COFINS sobre vendas 7.600,00 (7,6% de 100.000,00)***
      D - ICMS sobre vendas 20.000,00

      C – PIS a recolher 1.650,00
      C – COFINS a recolher 7.600,00
      C – ICMS a recolher 20.000,00


      *** Nas operações de venda, o IPI não compõe a base de cálculo do PIS e da COFINS.

      Correto.
      Minhas dúvidas

      1) As premissas que coloquei nos (*) (**) (***) foram retiradas de um material de contabilidade de 2003, elas ainda estão corretas de acordo com a legislação atual?

      2) Os valores PIS e COFINS a recuperar (do comprador) são maiores do que os valores recolhidos pelo vendedor. Isso não me parece lógico! Porque o crédito que objetiva a não cumulatividade seria maior do que o já recolhido?
      Vc está fazendo confusão com relação a não-cumulatividade.

      O PIS/Cofins no caso da compradora será compensado qdo ela fizer uma venda, aí ela compensará o que ela gastou na compra com o que ela terá que pagar na venda. São empresas distintas, o PIS/Cofins pago pela compradora não tem relação com o PIS/Cofins da vendedora.

      Comentário

      • engenheirosjc
        • 25/11/06
        • 1617

        #4
        Conforme o Piazza comentou são empresas distintas.. só completando.. qdo o comprador BETA for vender a mercadoria terá um lançamento de pis cofins sobre o valor de VENDAS, QUE SERÁ COM LUCRO, TEREMOS, ASSIM, UM VALOR MAIOR DE PIS COFINS SOBRE VENDAS/A RECOLHER.



        D – caixa
        C – vendas
        C – IPI a recolher

        D - PIS sobre vendas (1,65% da receita de vendas com lucro) *
        D - COFINS sobre vendas (7,6% da receita de vendas com lucro**)

        D - ICMS sobre vendas


        C – PIS a recolher
        C – COFINS a recolher
        C – ICMS a recolher

        * se a margem de lucro for 50% teremos 1,65 x 150.000
        ** idem acima para cofins = 7,6 x 150.000


        TEREMOS ASSIM UM VALOR MAIOR DE PIS COFINS SOBRE VENDAS DO QUE O DEBITADO NO CASO DAS COMPRAS.

        Comentário

        • Fernando Mineiro
          • 14/08/07
          • 243

          #5
          Pessoal,

          Obrigado pelos comentários!!!

          Continuando a estudar o assunto, chequei a algumas "conclusões"...

          vejam se estou no caminho certo:



          O IPI RECUPERÁVEL não integra a base de cálculo do ICMS A RECUPERAR, do PIS/PASEP A RECUPERAR e nem do COFINS A RECUPERAR.
          (para o comprador, tal valor não faz parte do custo)


          O IPI NÃO RECUPERÁVEL, no caso de produtos destinados a revenda, não integra a base de cálculo do ICMS a recuperar no caso de produtos força da CF Art. 155, parágrafo 2º, XI.
          (não faz sentido aplicar este dispositivo constitucional para os produtos destinados a industrialização, uma vez que neste caso o IPI seria recuperável pelo comprador.)

          No caso de produtos destinados ao consumo, também não faz sentido pensar nisso, uma vez que nestes casos não haveria ICMS a recuperar (o consumidor não seria contribuinte do ICMS)

          IPI NÃO RECUPERÁVEL integra a base de cálculo do PIS/PASEP A RECUPERAR e do CONFINS A RECUPERAR (já que nestes casos o IPI pago faz parte do custo do produto como foi dito acima)

          Comentário


          Working...
          X