PDA

Vizualizar Versão Completa : TÉCNICA DE CHUTE PARA INICIANTES



Seu Madruga
Fri, 19/09/08, 09:24 PM
Os concursos públicos avaliam muito mais do que capacidade intelectual ou de raciocínio do candidato. Uma prova bem montada consegue selecionar diversos tipos de aprovados. Dependendo de sua estrutura e de suas regras, selecionam-se os mais lógicos, os mais emotivos, os mais equilibrados, os mais mnemônicos, entre outros.

Devemos nos preparar de uma maneira ampla, não apenas estudando o conteúdo, mas também a forma. O conteúdo entende-se pelas matérias em si. Já a forma é a estrutura que cerca todo o certame. É o edital, a banca, a estrutura da prova, entre outros.

É disso que gostaria de compartilhar um pouco com você. Gostaria de falar um pouco sobre “chute”. Sim, chute. Da divisão acima, o chute estaria na parte formal de um concurso, pertenceria mais à forma do gabarito. Mas o sucesso dele depende diretamente do conteúdo das matérias adquiridos por você.

Alguns pensam que “chutar” é para aqueles que não estudam. Ledo engano. Chutar é uma arte, uma ciência. Quanto mais preparado você estiver no dia da prova, e se souber técnicas básicas, mais questões você acertará quando chutar. Afinal, é impossível sair de uma prova sem chutar uma questão.

Desenvolver as técnicas de chute nunca vai assegurar acertar 100% daquilo que chuta, porém não vai ficar também nos 20% normais.

Em primeiro lugar, chutar não é superstição. É matemática pura. Mais propriamente estatística. Mas não quer dizer que não envolva sorte também. Não sou nenhum mestre no assunto. O máximo que vi foi pelas aulas do Sérgio Carvalho. Mas essas idéias não são baseadas nisso. É muito mais no bom senso, na malandragem. Como disse no início, as provas conseguem avaliar muito mais do que capacidade lógica, emocional, mnemônica ou qualquer outra, por isso, precisamos desenvolver um “contra-ataque” a essa passividade que sofremos em relação à banca. E a malandragem pode ser a nossa arma.

Segundo, isso tudo é só uma idéia, uma teoria. Cada um adapte-a a suas próprias experiências. Assim como qualquer técnica, talvez no início não consiga lograr grandes vantagens com essa idéia. Por isso é preciso praticá-la bastante. Chutar requer tempo, o que não terá no dia da prova. Portanto, treine em seus simulados e vá para prova com suas técnicas de chute já muito bem desenvolvidas. Isso vai garantir alguns pontos que talvez demorariam meses de estudo para conquistá-los.

Não há nenhuma fórmula mágica. Talvez eu esteja falando apenas o óbvio. Mas vamos lá então.

O primeiro passo para um bom chute é desconstruir a prova. É entender como o examinador monta o gabarito e entender os reflexos das suas escolhas no resultado final. Além disso ele é obrigado a seguir regras mínimas na montagem do gabarito a fim de equilibrar o resultado, prevenindo de que nenhum “chutador cego” tire vantagens daqueles que estudaram muito.

Se fôssemos montar um gráfico “número de canditados” por “nota”, uma prova ideal teria uma curva simétrica. A média seria igual à mediana, que seria igual à moda. Com isso, seriam aprovados com justiça aqueles que melhor se prepararam. Qualquer assimetria em relação a essa curva proporciona efeitos no resultado final. Veja só:

Se a curva for assimétrica à direita é sinal que a prova foi dificil. A maioria do pessoal teve notas baixas, o que, em maiores níveis, não consegue selecionar realmente quem estudou. É comum hoje em dia vermos provas tão dificéis que acaba sobrando vagas. Ou seja, se o examinador faz uma prova muito dificil, ele corre o risco de não selecionar com justiça. Exemplo recente é a prova da FGV para o TCM-RJ (auditor). No qual apenas 18 pessoas conseguiram o mínimo.

O contrário também é verdade. Se a curva é assimétrica à esquerda é sinal que a prova foi fácil. Muitas pessoas tiraram notas altas. Isso também não seleciona. A prova foi fácil para todo mundo, não dá pra selecionar quem estava realmente bem preparado. Isso é muito comum em provas de concurso de ensino médio, onde é comum ter que gabaritar a prova. Além de níveis de empate serem muito altos.

Essas duas assimetrias são prejudiciais ao equilibrio na hora da seleção. O examinador sabe disso e usa dessa ferramenta de acordo com seus objetivos. A maneira mais equilibrada e justa de selecionar é quando a prova vem simétrica. Ou seja, equilibrada. Com isso, ela traz um número proporcional de questões fáceis, médias e dificéis.

Partimos da idéia de que a prova equilibrada contém 25% de fáceis, 50% de médias e 25% de dificéis. Quando ela vem muito difícil ou fácil, é sinal que houve um desequilíbrio nessa proporção. Como disse, o examinador sabe dos efeitos disto, e os usa para melhor selecionar. No exemplo do TCM-RJ só havia 3 vagas. Por isso a prova ter vindo tão dificultosa. Se viesse muito fácil poderia haver um empate com 30 candidatos. E o que acabaria selecionando seria o critério da idade. E não é isso o que uma banca busca quando faz um concurso sério. E não tenho dúvidas da seriedade da FGV. É comum o critério de desempate em concursos muito fáceis, como os de segundo grau.

A partir desse conhecimento é que vamos construir nossa teoria. Já adianto que a prova da Receita provavelmente não virá equilibrada. Virá levemente desequilibrada à direita, ou seja, mais dificil, porém, não impossível, como alguns pensam. Do contrário não selecionaria de forma apropriada, já que o número de vagas é alto. Quanto maior o número de vagas, mais fácil tende ser a prova. Veja os dois exemplos que já dei (TCM e concursos de 2o grau).

Se você se preparar bem, conseguirá acertar as questões fáceis e as médias. Com isso já acertaria 75% da prova. Mas como disse, a prova não vem com aquela distribuição equilibrada. Acho que ela virá 25% fáceis, 25% médias e 50% dificéis. Dentro desse raciocínio, acertaria, então, 50% garantidos.

Os últimos aprovados em 2005 tiveram 62%. Acredito que se o número de vagas for alta (1.000), essa média deve ficar próxima, talvez um pouco mais alto devido ao longo tempo sem concurso. Continuando. Você já tem 50% garantidos. Essa técnica é para aqueles que estudaram. É um prêmio para aqueles que se dedicaram com afinco. Quanto mais você estuda, melhor você chuta. Falta garantir mais 12% da prova. O que parece pouco. Mas leva-se anos até conseguir esse mínimo. O chute está aí para te presentear pelo seu esforço.

Entendido esses critério, é precisa saber ainda que o examinador está obrigado a equilibrar o número de alternativas. Isso é básico. Todo mundo já sabe. E isso é feito em todos os concursos. É só ver os gabaritos. Então se a prova tem 100 questões. Vinte serão “a”, 20 “b”, etc... Ele precisa equilibrar não apenas no número geral, mas também dentro de cada matéria. Então se das 100 questões, 20 são de direito constitucional, “4” serão a, 4 “b”, etc... Essa regra é fundamental. Do contrário, como o número de candidatos é elevado, alguns se privilegiariam ao chutar apenas uma letra. Teve um concurso recente na região norte onde o gabarito inteiro era apenas a letra “a”. O Ministério Público Estadual foi acionado e entrou com uma ação pública para anular tal certame.

Outra coisa importante, que não é regra, porém é estatisticamente mais provável. E quando estamos falando de chute, precisamos abandonar os “achismos” e traduzir tudo em número. A chance de repetir uma letra é de 20%, enquanto a chance de ser uma letra diferente é de 80%. Então, num caso isolado que tiver que chutar, sempre chute outra letra. Isso não significa que você tem 80% chances de acerto, de maneira nenhuma. Mas a estratégia não é por ai, apesar de isso ser um dos instrumentos norteadores na hora do chute.

Mais um ponto importante a destacar é que as alternativas influenciam entre si. O gabarito é uma coisa viva, orgânica. Se saiu muitas letras “a” no começo e poucas “d”, é sinal que no final da prova virá mais letras “d”. É o princípio do equilíbrio de alternativas. Se saiu a letra “a”, é mais provável que a próxima questão não seja “a”.

O texto está ficando muito comprido. Vou acelerar o raciocínio.

Agora precisamos identificar quais são os tipos de questões. É aqui que o cara que estudou é coroado. Quanto mais ele sabe com certeza a resposta, melhor será o chute. Existem três tipos de questões, e é fundamental que você vá marcando-as ao longo da prova.

A primeira são as “âncoras”. As mais importantes. Âncora é a questão que você sabe com certeza absoluta. Marcar uma questão como âncora, e errar, pode influenciar negativamente todo o chute. E lembre-se o gabarito é orgânico. É como se errasse um dos núcleos de DNA. Ao invés de nascer um bebê lindo, nasce um monstro. Muito cuidado em seu critério. É por isso que precisa treinar bastante. Quanto mais âncoras tiver, mais alto são suas chances.

Em segundo são as questões dúbias. Essas são as piores questões. A gente sempre fica na dúvida e acaba marcando a errada. Com uma boa técnica do chute, você terá, além do seu conhecimento, mais um parâmetro para avaliar a alternativa correta. Como eu disse no inicio, o chute é uma ferramente contra as malícias do examinador. É mais um instrumento que o auxiliará a vencer a prova. Nessas questões, elimine as claramente erradas, e fique apenas com as duas possíveis alternativas.

Em terceiro são as questões desconhecidas. Elas normalmente aparecem em matérias de exatas. Quando a gente não sabe o cálculo, é impossível chutar com um mínimo de previsão. Nessas ocasiões, é melhor adotar uma outra estratégia.

Veja que essas técnicas abordam o lado holístico da avaliação do gabarito. Não vou adentrar a questão lógica interna de cada questão. É possível desenvolver técnicas mais profundas que analisam as alternativas dentro da questão, e não os gabaritos dentro da prova como um todo. Esse tipo de chute seria uma análise mais lógica. E não é o meu objetivo aqui.

Agora vamos somar todos esses raciocínios em um único só, de forma prática.

Em primeiro, você não está chutando 100% da prova, cegamente. Você já tem um desenho mínimo no gabarito. Para aqueles que se prepararam bem, fizeram com certeza 50%, essa é a sua obrigação. Digamos que 25% você escolherá, a seu arbítrio, e poderá chutar os outros 25% com consciência.

Então vamos lá.
Disponha o gabarito em linhas com 5 alternativas para visualizar o desenho das respostas. A maioria dos gabaritos oficiais já vem dispostos em linhas de 5, que é o ciclo de respostas a ser alternado. O gabarito perfeito teria um intervalo regular entre cada alternativa, ou seja, uma letra “a” a cada quatro alternativas. Obviamente isso não é feito, uma vez que descobrindo a primeira sequência, descobriria-se todo o resultado. Mas a tendência é haver esse equilíbrio. Essa idéia é equivalente ao princípio do equilíbrio entre o número de alternativas, é decorrência direta.

Marque primeiro as questões âncoras. Elas serão a sua guia, cabendo a você preencher as lacunas entre elas. Deixe no gabarito indicado quais são as possíveis alternativas entre as dúbias. As desconhecidas serão as últimas a serem chutadas.

Separe a grade de gabarito por matéria e saiba qual é o número equilibrado de questões por alternativa. Se a matéria tem 20 questões, o número será de 4 por matéria. Com todas essas informações você já é capaz de chutar eficazmente.

Veja resumidamente o caso prático.

São 20 questões. Tenho 10 âncoras. Cinco são dúbias. Cinco desconhecidas. Dependendo da localização dessas questões na grade, você será favorecido ou não. Se entre duas âncoras haver uma dúbia, sendo que as âncoras são “a” e “e”, e você está na dúvida de “b” ou “e”, e já tiver saído 4 letras “e”, 1 “b”, e 4 “a”, tem um forte indício que seja realmente a letra “b”. A sua chance de acertar é muito maior que os iniciais 20%. Isso é baseado em indícios, não é achismo ou apenas sorte. Temos um excesso de letras “e” (1o indício), a questão posterior é “e” (2o indício) e saíram poucas “b” (3o indício), além de que já selecionou a alternativa “b” como dúbia, uma provável candidata a alternativa correta (4o indício). Veja como todas essas idéias são parâmetros, indícios de qual a alternativa é a correta, sem realmente saber a resposta. Chutar qualquer outra alternativa seria meramente um “chute”, hehe.

Concluindo para o texto não ficar gigante.

Chutar vai envolver a análise de vários fatores. A soma desses fatores é que indicará qual é a alternativa mais provavel. Os fatores são a presença de âncoras próximos à questão, o número de letras que já saíram, o desenho da grade do gabarito montado por você, tanto anterior à questão, como posterior a ela, entre outros fatores já ditos. Você precisa conjugar todos esses elementos. Além da sorte. Por causa disso é necessário muita experiência, sensibilidade, conhecimento. A sorte às vezes é o resultado disso tudo. É não é tudo isso que tem um vencedor?

Para finalizar, há casos em que é melhor chutar cegamente, como nas questões desconhecidas. Principalmente em matérias de exatas, onde não podemos fazer uma análise lógica das alternativas. Nessas deve-se guiar pelas questões âncoras conjugadas com o número de alternativa por letra. E lembre-se ainda que se a matéria exige um número mínimo, como as de matemática e estatística, às vezes é melhor garantir o mínimo do que arriscar gabaritar.

Por exemplo, na prova de matemática e estatística da receita. Quinze questões, sendo 3 por alternativa. Se você já ancorou 3 de matemática e 3 de estatistica, que são as fáceis, suas obrigações, e os gabaritos delas saíram por exemplo 4 “c” e 2 “d”, chute cegamente todas na “b” por exemplo, que vai acertar mais 3, de graça, totalizando 9 de quinze. Uma boa nota para quem sabia apenas 6. Veja que depende também de sorte. O examinador sabe disso, portanto ele equilibra as questões fáceis para que não sejam todas “d” por exemplo, levando ao chutador profissional a chutar todas numa outra letra qualquer, ganhando 3 questões de graça, como no caso exemplificado. O examinador vai equilibrar até mesmo dentro do nível de questão, ou seja, se tem 5 fáceis, cada uma delas vai ser uma letra.

O texto ficou enorme. Muito maior do que as proporções pensadas. Acho que até atrapalhou o entendimento. Peço desculpas. Espero tê-los coloborado para sua futura aprovação, de algum modo!

Lembrando que tudo isso é uma teoria, apenas. Nada mais. Deve conter falhas grotescas de lógica e estatística, mas vale o princípio!

NandoDorneles
Fri, 19/09/08, 09:58 PM
To começando achar que o Seu madruga é o Meirelles com outro nick hehehehehe..........


todo dia textos cheios de dicas e agora falando de estátistica, moda, mediana etc....


:D

Valente
Fri, 19/09/08, 09:59 PM
Sei de uma coisa, e não é achismo... William Douglas, Alex Meirelles e Sérgio Carvalho que se cuidem... eis que vem surgindo um novo guru dos concursos: Seu Madruga!!

Madruga, por conta do texto, pendura o desse mês...

Parabéns!! Muito bem escrito.


[]'s

Vitor Cruz (Vampiro)
Fri, 19/09/08, 10:16 PM
Sei de uma coisa, e não é achismo... William Douglas, Alex Meirelles e Sérgio Carvalho que se cuidem... eis que vem surgindo um novo guru dos concursos: Seu Madruga!!

Madruga, por conta do texto, pendura o desse mês...

Parabéns!! Muito bem escrito.


[]'s

Só tem talento aki no Fórum............kkk

Muito bom Madruga....

Podexá que com o Seu Barriga eu me entendo daqui pra frente....

Vou investir em tu garoto!!!!

Abração

Puerto
Fri, 19/09/08, 10:18 PM
Ótima dica !
O texto não está longo não. Está é completo!
:D Parabéns!

hakuna_matata
Sat, 20/09/08, 12:39 AM
Mto bom o texto, Seu Madruga!!!

Se vc lançasse um livro amanhã sobre dicas para concursos, eu compraria!! rsrsrs



aos trabalhos \:D/

concurseiro1979
Sat, 20/09/08, 11:48 AM
Sábio Madruga =D>

eduardo martins
Sat, 20/09/08, 12:19 PM
BOA SEU MADRUGA

ASDM
Sat, 20/09/08, 12:24 PM
Muito bom o texto para os q estão iniciando, mas vale deixar registrado q isso não é regra, digo, se vc tem 10 questões de espanhol, não quer dizer q teremos 2 questões letra A, 2 letra B, 2 letra C, etc.

Exemplo dessa exceção foi a própria prova de espanhol do último concurso do AFRF, onde nela o gabarito apresentou 2 questões alternativa A, 3 questões alternativa B, 2 alternativa C, 2 alternativa D, 1 questão alternativa E (esta ainda foi anulada). Na prova, do mesmo concurso, de MF e Est. aconteceu a mesma coisa, de 15 questões 4 foram letra E, sendo q dessas 4 letra E 2 foram anuladas

Mas vejam, mesmo não sendo a regra, é melhor fazer de conta q é a regra hehehe, pq na hora vc não vai ter tempo pra pensar de outra maneira, por exemplo, na prova de espanhol teve 3 B e 1 E, então na próxima disciplina terá q ter menos B e mais E (sistema de compensação), vc não vai conseguir fazer isso, até pq vc não vai ter certeza q as q vc assinalou estão corretas, e tb não quer dizer q haverá a compensação já na disciplina seguinte, pode haver a compensação em qualquer parte da prova 1

É galera, quem disse q vida de concurseiro é fácil hehe

Vamos q vamos

ronaldo
Sat, 20/09/08, 12:59 PM
Melhor leitura sobre chute que já li.

Agora, em relação às questões tipo cespe, C ou E, qual a estratégia?

Ah, e esquece esse negócio de que o texto tá gigante, tem que tá gigante mesmo e bem detalhado, esmiuçado e antever as dúvidas dos leitores. Não poupe as palavras, rsrsrs.

ASDM
Sat, 20/09/08, 01:20 PM
Seu Madruga por acaso vc não é o Zork???

Leo_1975
Sat, 20/09/08, 01:49 PM
Seu Madruga

Muito interessante seu texto.
Só gostaria de discordar de um ponto que você citou:

"Se fôssemos montar um gráfico “número de canditados” por “nota”, uma prova ideal teria uma curva simétrica. A média seria igual à mediana, que seria igual à moda. Com isso, seriam aprovados com justiça aqueles que melhor se prepararam. Qualquer assimetria em relação a essa curva proporciona efeitos no resultado final."

Uma curva simétrica significaria não uma prova ideal, mas sim uma prova onde todos os candidatos tem o mesmo nível de preparação. Se a meta do elaborador for selecionar os melhores, então uma curva simétrica significa que ele não cumpriu sua meta. Ao contrário, se a curva for assimétrica à direita (como sempre são as provas de concurso) significa que o examinador foi criterioso ao selecionar os candidatos.

Um critério que eu julgo mais apropriado para classificar uma prova em bem ou mal preparada é o número de candidatos que atingem a nota de corte. Se muita gente atinge (digamos, 10 vezes o numero de vagas) é sinal de que a prova foi fraca, e pode não ter classificado os melhores dentro das vagas. Ao contrário, se os aprovados não forem em número suficiente para preencher as vagas, significa que a prova foi exageradamente difícil, e que houve desperdício de dinheiro público, pois o certame não cumpriu seu objetivo.

Sat, 20/09/08, 04:06 PM
Parabéns, cara!

Acabou de colocar uns trezentos candidatos na sua frente!

Sanfoneiro
Sat, 20/09/08, 04:20 PM
Interessante que eu já tenho uma certa afinidade neste assunto, mas geralmente acerto de 10, por exemplo 2,3. Usando essa técnica. Gostei da perspectiva de escolher letra em uma quantidade de alternativas por disciplina eu analisava no geral mesmo. Vou depois verificar se por disciplina aumenta a chance.

Essa técnica só funciona bem mesmo para quem se estuda. É uma vantagem. Quanto mais se estuda, aumentam-se as possibilidades de acerto da técnica.

Com Cespe já tenho algumas noções mas n serve para aqui.

Quanto à concorrência... o maior concorrente é vc. Quem estudar bem vai perceber as características da banca. Se já percebe. Está em um bom caminho.

Bons estudos.

MarcosFoz
Sat, 20/09/08, 08:03 PM
Parabéns, cara!

Acabou de colocar uns trezentos candidatos na sua frente!

Pato,

pra quem tá começando e não sabe 30 por cento da prova.. essa dica não vale de nada.

Quem já ta tentando Esaf e tá com mais experiência já tinha se tocado disso.

MarcosFoz
Sat, 20/09/08, 08:12 PM
Muito bom o texto para os q estão iniciando, mas vale deixar registrado q isso não é regra, digo, se vc tem 10 questões de espanhol, não quer dizer q teremos 2 questões letra A, 2 letra B, 2 letra C, etc.

Exemplo dessa exceção foi a própria prova de espanhol do último concurso do AFRF, onde nela o gabarito apresentou 2 questões alternativa A, 3 questões alternativa B, 2 alternativa C, 2 alternativa D, 1 questão alternativa E (esta ainda foi anulada). Na prova, do mesmo concurso, de MF e Est. aconteceu a mesma coisa, de 15 questões 4 foram letra E, sendo q dessas 4 letra E 2 foram anuladas

Mas vejam, mesmo não sendo a regra, é melhor fazer de conta q é a regra hehehe, pq na hora vc não vai ter tempo pra pensar de outra maneira, por exemplo, na prova de espanhol teve 3 B e 1 E, então na próxima disciplina terá q ter menos B e mais E (sistema de compensação), vc não vai conseguir fazer isso, até pq vc não vai ter certeza q as q vc assinalou estão corretas, e tb não quer dizer q haverá a compensação já na disciplina seguinte, pode haver a compensação em qualquer parte da prova 1

É galera, quem disse q vida de concurseiro é fácil hehe

Vamos q vamos


Antigamento, coisa de até 2002. Todas a provas da ESAF eram inteiramente divididas o gabarito por máteria... com 10 15, 20 ou 30 questões.. bastava dividir por 5 e se tinha praticamente a distribuição na prova.

Ocorre que os concurseiros acabaram se tocando disso. e nos ultimos dois certamos a coisa mudou um pouco.

com 10 questões por exemplo enquanto que antigamente teriam 2 questões com cada letra, acabou-se por ser escolhida uma letra mais pobre e outra mais rica. isto é, haveria uma questão com apenas uma letra, outra com tres letras e o restante seguindo a linha de duas letras.

Mas se ve que nunca se sai muito da média...

de 20 questões em que 4 seriam as letras A, B, C, D e E. Vai se ter questões com 3 letras e com 5 letras. Mas ainda assim se serve de parâmetro pra essa técnica mostrada.

Num concurso se precisa de 3 coisas fundamentais: Estudo, Técnica e (muita) Sorte.

jed_mo
Sat, 20/09/08, 11:06 PM
Pato, a idéia do seu madruga foi colaborar. Ele tem o DOM e é um grande escritor, tem talento, te garanto que êle não está preocupado com a evolução dos outros. Aliás, o objetivo é exatamente esse, fazer alguém evoluir, se não fosse assim não haveria razão da existênca do fórum. Um grande abraço.

Danizinha-AFT
Sun, 21/09/08, 12:10 AM
Oi Madruga...adorei seu texto...obrigada pelas dicas!!!
Abços. =D>

Pixote
Sun, 21/09/08, 12:33 AM
Sei não, mas pela forma de escrita, tá parecendo o andrelcsa, banido do fórum. os mais antigos, do concurso de 2005, devem saber a quem estou me referindo.

agora parece estar atuando de estatístico, em vez de economista.


parabéns pelo texto!!

edmort
Sun, 21/09/08, 09:23 AM
hehehehehehehe
É por isso que gosto do FC!

Marcus Vinicius
Sun, 21/09/08, 10:22 AM
Só tem talento aki no Fórum............kkk
Muito bom Madruga....
Podexá que com o Seu Barriga eu me entendo daqui pra frente....
Vou investir em tu garoto!!!!
Abração

Aih!! Vampiro!!

Depois você e o Marduga me sacaneiam dizendo que aqui não é sala do IBGE e agora ele vem falar de análise / probabilidade de chute.. Falando em medidas de posição e tal... hau hau hau hau hua

Sacanagem...

Seu Madruga, parabéns pelo texto, a propósito deve ser o primeiro texto (em formato de enciclopédia.. rsrsrs) que eu leio atentamente até o final... =D> =D>

Excelente suas dicas.
Este com certeza vai para os favoritos! :eek:

Na minha opinião, esta sala deveria ser utilizada para tal finalidade mesmo, troca de idéias, noticias sobre o concuros e não com a enxurrada de perguntas sobre questões, que deveriam ser concentradas nas respectivas salas da matérias, como uma forma de prestigiar os diversos professores / colaboradores.. ](*,)

Vitor Cruz (Vampiro)
Sun, 21/09/08, 01:41 PM
É Marcão........

Esse povo é fogo.......

Todo mundo na Sala errada... tcs tcs tcs [-(

Não aprendem....

kkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkk

rxp2007
Sun, 21/09/08, 07:08 PM
Pergunto pro pessoal mais experiente se vcs têm observado algum padrão de gabarito nas provas da esaf???
Disseram-me uma vez, por exemplo, que nas provas de informática da esaf, quase nunca os itens "I" e "IV" são verdadeiros ou falsos ao mesmo tempo. Historicamente, teve somente um caso até hoje em q isso ocorreu.
Tendo uma informação desse tipo, podemos aprimorar muito a "arte de chutar".
Alguém poderia confimar isso??
Alguém sabe de mais algum caso??/

cristianoo
Sun, 21/09/08, 08:58 PM
Se a "randomização" for feita por humanos, é bem capaz de isso acontecer mesmo viu rxp2007

Principalmente se forem os mesmos examinadores.

Cachorro Loko
Mon, 22/09/08, 01:13 PM
Este texto também é muito bom, o rapaz escreve muito bem.
Abraço.

Formiga-DF
Mon, 22/09/08, 01:32 PM
Parabéns madruga!!!

E obrigado!

FMR
Mon, 22/09/08, 05:01 PM
Não li todo o texto, mas pelo que entendi há uma lógica no gabarito. Concordo que a banca não vai colocar todas as respostas numa só letra, como aconteceu num concurso recente, mas não vejo explicação pra existir qq lógica. Já vi vestibulares em que o gabarito é distribuido de forma que tenha 20 % pra cada letra....isso sim ajuda mto no chute, mas pelo menos os gabaritos dos concursos que observei eram totalmente aleatórios.Ou eu que não descobri a sequência hehehe.
Abraço

LuaPink
Fri, 26/09/08, 04:28 PM
Entendido esses critério, é precisa saber ainda que o examinador está obrigado a equilibrar o número de alternativas. Isso é básico. Todo mundo já sabe. E isso é feito em todos os concursos. É só ver os gabaritos. Então se a prova tem 100 questões. Vinte serão “a”, 20 “b”, etc... Ele precisa equilibrar não apenas no número geral, mas também dentro de cada matéria. Então se das 100 questões, 20 são de direito constitucional, “4” serão a, 4 “b”, etc... Essa regra é fundamental. Do contrário, como o número de candidatos é elevado, alguns se privilegiariam ao chutar apenas uma letra.

Seu Madruga, valeu a iniciativa! Você escreve muito bem. Mas, a ESAF não está fazendo bem assim, dê uma olhada no gabarito da prova do ISS de Natal, além de não fechar a proporcionalidade por matéria, não fechou a proporcionalidade de respostas na prova inteira, também.

Arnaldo
Fri, 26/09/08, 04:40 PM
Realmente muito bom!!
Valeu, LH, ôôps, Andr...C..., ôops, Madruga!!!

Seu Madruga
Fri, 26/09/08, 04:57 PM
Entendido esses critério, é precisa saber ainda que o examinador está obrigado a equilibrar o número de alternativas. Isso é básico. Todo mundo já sabe. E isso é feito em todos os concursos. É só ver os gabaritos. Então se a prova tem 100 questões. Vinte serão “a”, 20 “b”, etc... Ele precisa equilibrar não apenas no número geral, mas também dentro de cada matéria. Então se das 100 questões, 20 são de direito constitucional, “4” serão a, 4 “b”, etc... Essa regra é fundamental. Do contrário, como o número de candidatos é elevado, alguns se privilegiariam ao chutar apenas uma letra.

Seu Madruga, valeu a iniciativa! Você escreve muito bem. Mas, a ESAF não está fazendo bem assim, dê uma olhada no gabarito da prova do ISS de Natal, além de não fechar a proporcionalidade por matéria, não fechou a proporcionalidade de respostas na prova inteira, também.

luapink, eu vou dar uma olhada nessas útlimas provas.

o que pode acontecer, e sempre acontece, é haver um pequeno desequilíbrio. O examinador coloca uma letra a mais e retira de outra. Mas como estamos trabalhando com estatística, a probabilidade de ele fazer isso é muito menor do que ele não fazer. Então vc precisa pensar como se ele estivesse obedecendo aquela regra do equilíbrio.

vou dar uma olhada e depois comento!
obrigada pela observação

Seu Madruga
Fri, 26/09/08, 04:58 PM
Realmente muito bom!!
Valeu, LH, ôôps, Andr...C..., ôops, Madruga!!!

pô, arnaldão! LH é brincadeira, ein!
Aquele cara tem problema. Já eu, bem menos. ;-)

Arnaldo
Fri, 26/09/08, 05:07 PM
Blz!! Então tá certo!!
Abs,



Realmente muito bom!!
Valeu, LH, ôôps, Andr...C..., ôops, Madruga!!!

pô, arnaldão! LH é brincadeira, ein!
Aquele cara tem problema. Já eu, bem menos. ;-)

Cristal
Fri, 26/09/08, 05:21 PM
Seu Madruga por acaso vc não é o Zork???

ASDM, tbm tenho pensado nisso há um bom tempinho..

O Zork sumiu do fórum.. O avatar é do mesmo personagem e os textos tão legais e interessantes qto os que o Zork escrevia..

Se for, que bom que vc voltou!!

Se não for, que bom que temos mais um colega com uma excelente participação..

Seu Madruga
Fri, 26/09/08, 07:26 PM
o zork não sumiu. Ele continua postando mensagens na sala do william douglas.

Marcus Vinicius
Fri, 26/09/08, 08:23 PM
Seu Madruga, valeu a iniciativa! Você escreve muito bem. Mas, a ESAF não está fazendo bem assim, dê uma olhada no gabarito da prova do ISS de Natal, além de não fechar a proporcionalidade por matéria, não fechou a proporcionalidade de respostas na prova inteira, também.


Resultado do IS

Formato = Letra, Quantidade no Gabarito, % no total de questões

P1:
A 13 20,00%
B 10 15,38%
C 14 21,54%
D 17 26,15%
E 11 16,92%

P2:

Auditoria
A 13 18,57%
B 14 20,00%
C 12 17,14%
D 16 22,86%
E 15 21,43%

TI
A 14 20,00%
B 14 20,00%
C 13 18,57%
D 16 22,86%
E 13 18,57%

Apesar de não ter batido 20% para cada letra, a discrepância não está tão grande assim, eu continuo achando que vale a pena a técnica sim.

rxp2007
Fri, 26/09/08, 09:04 PM
eh..na P1 a técnica nao funcionaria bem...está muito diferente o numero de questoes letra D e B. Seria muito arriscado.
não tenho analisado muito os gabaritos das ultimas provas....será q a esaf está atenta para esse fato???






Seu Madruga, valeu a iniciativa! Você escreve muito bem. Mas, a ESAF não está fazendo bem assim, dê uma olhada no gabarito da prova do ISS de Natal, além de não fechar a proporcionalidade por matéria, não fechou a proporcionalidade de respostas na prova inteira, também.


Resultado do IS

Formato = Letra, Quantidade no Gabarito, % no total de questões

P1:
A 13 20,00%
B 10 15,38%
C 14 21,54%
D 17 26,15%
E 11 16,92%

P2:

Auditoria
A 13 18,57%
B 14 20,00%
C 12 17,14%
D 16 22,86%
E 15 21,43%

TI
A 14 20,00%
B 14 20,00%
C 13 18,57%
D 16 22,86%
E 13 18,57%

Apesar de não ter batido 20% para cada letra, a discrepância não está tão grande assim, eu continuo achando que vale a pena a técnica sim.

AMD
Fri, 26/09/08, 09:45 PM
Seu Madruga obrigada pelas dicas, achei muuuito legais.

Fhighlander
Thu, 03/09/09, 08:38 PM
Seu Madruga, parabéns pelo ótimo texto!!! Apesar do tamanho, consegui ler sem maiores problemas. A menção da proporcionalidade entre as letras foi uma coisa que desconhecia, sempre pensei que o examinador via de regra puxasse o gabarito pra uma letra e ficasse algo numa proporção como: 30%, 20%, 20%, 20% e 10%. Mas como nunca tinha me dado a analisar o gaba de nenhuma prova, nunca tinha percebido se isso era mera viagem na maionesa ou não.

Por sinal, recomendaria até você fazer como Alexandro (cheguei aqui através do post dele) e colocar todo esse post num arquivo .doc e disponibilizar no 4shared ;-)

Continue escrevendo e compartilhando seus insights aqui, blz? Tudo de bom!

Seu Madruga
Thu, 03/09/09, 09:02 PM
aproveitando que esse tópico reapareceu,
gostaria de comentar uma coisa q aconteceu no ICMS SP organizado pela FCC, que é muito grave, pois fere a isonomia.

a discussão foi iniciada aqui.

viewtopic.php?f=371&t=70778 (http://www.forumconcurseiros.com/phpBB3/viewtopic.php?f=371&t=70778)

a prova da sefaz teve 8 tipos de gabarito.

apenas o gabarito 1 estava equilibrado, os demais não.

esse estudo foi feito pelo colega moltar naquele tópico acima.
tipo A B C D E desp padr
1 19 21 20 21 19 1,00
2 10 23 23 25 19 6,00
3 20 28 21 20 11 6,04
4 19 18 21 25 17 3,16
5 20 29 20 20 11 6,36
6 17 21 16 26 20 3,94
7 10 23 23 26 18 6,28
8 18 19 21 25 17 3,16

veja q o tipo 1 tem desvio padrão de apenas 1,0. Ou seja quem usou estas técnicas de chute se deu muito bem.

porém quem teve provas do tipo 2, 3, 5 e 7 foram extremamente prejudicados ou favorecidos com isso, pois o desvio padrão foi muito grande.

isso passa despercebido por muitos, mas essa discrepancia fere a isonomia. Só para se ter uma idéia, no meu gabarito tipo 2, quem chutou todas de RL em a não acertou nenhuma, meu caso. Já quem chutou todas em b, acertou 9. E a pessoa q tinha o tipo 1 acertou 4 se chutasse apenas uma letra qualquer.

essa diferença sutil não é justa, pois está dando condições diferentes para uma mesma situação.

ficou óbvio que a FCC, de maneira ingenua, fez um gabarito perfeito para o tipo 1; e apenas embaralhou para o resto, criando essa enorme discrepancia. Não querendo chorar, mas acredito que perdi cerca de 10-15 pontos por causa disso.

portanto, antes de aplicar a técnica de chute, acompanhe os últimos gabaritos da sua banca, e veja se ela está fazendo a mesma coisa da FCC. Se positivo, torça para q seu gabarito seja o do tipo 1, o gabarito da sorte, q fica muito, mas muito, mas muito, mais fácil de chutar e acertar.

Aguia
Sat, 05/09/09, 04:31 PM
No icms sp que dependia de chute na P1. Se fosse fazer proximo ao seu esquema, escolheria a letra A, que nao tinha nenhuma resposta. Fui de E, acertei 3. Se fosse nas C ou D, teria 9 no total...!
Teoria: Sempre coloque letra C ou D. rs!

Espertinha
Sun, 11/10/09, 10:24 AM
Antigamento, coisa de até 2002. Todas a provas da ESAF eram inteiramente divididas o gabarito por máteria... com 10 15, 20 ou 30 questões.. bastava dividir por 5 e se tinha praticamente a distribuição na prova.

Ocorre que os concurseiros acabaram se tocando disso. e nos ultimos dois certamos a coisa mudou um pouco.

com 10 questões por exemplo enquanto que antigamente teriam 2 questões com cada letra, acabou-se por ser escolhida uma letra mais pobre e outra mais rica. isto é, haveria uma questão com apenas uma letra, outra com tres letras e o restante seguindo a linha de duas letras.

Mas se ve que nunca se sai muito da média...

de 20 questões em que 4 seriam as letras A, B, C, D e E. Vai se ter questões com 3 letras e com 5 letras. Mas ainda assim se serve de parâmetro pra essa técnica mostrada.

Num concurso se precisa de 3 coisas fundamentais: Estudo, Técnica e (muita) Sorte.
Oi... é isso mesmo MarcosFoz!!!

Caro Madruga....
Muito bom seu texto!!!

Planador
Sun, 13/06/10, 02:27 PM
Falae galera!

Dando um UP ae nesse material do Madruga.

Abçs!

Roger75
Sun, 13/06/10, 06:41 PM
Temos também alguns princípios muito utilizados na hora do chute:
1) Princípio da alternativa com mais texto: neste ponto, geralmente usado em questões de Direito, se você não tiver a menor idéia do que escolher, a alternativa mais longa "tende" a ser a resposta. Isso porque dizem que o examinador precisa justificar bem o embasamento da resposta, o que acaba gerando algo mais elaborado, e consequentemente com mais linhas de texto.
2) Princípio das palavras genéricas: também muito utilizado em questões de Direito, se forem vistas alternativas contendo palavras como "sempre","nunca", estas são um indicativo de que pode ser que não seja a resposta correta, pois é sabido que é muito difícil generalizar um assunto a ponto de dizermos que "sempre" ou "nunca" aquilo irá acontecer. Da mesma forma, palavras como "talvez","quase","pode" indicam possibilidade, o que tende a assinalarmos a alternativa como correta.

Mas o examinador pode também justamente tentar usar os princípios acima descritos para tentar te enganar. Por exemplo, ele pode colocar uma alternativa comprida e errada para que os que tentem usar o princípio 1 se ferrem, ou então pode tentar formular uma questão em que a resposta seja exatamente a que use palavras genéricas.
O melhor mesmo é estudar para não ter que chutar desse jeito. :)

DANIDANI
Tue, 03/08/10, 08:51 PM
Olá seu madruga!
Tem alguma dica para chute nas questões do tipo como as abaixo:

1. Segundo entendimento sumulado do TST, analise as proposições a seguir:
I. As gorjetas recebidas pelo empregado são compreendidas na sua remuneração para todos os
efeitos legais, especialmente cálculo do FGTS, do 13º salário, do aviso prévio, do adicional
noturno, das horas extras e do descanso semanal remunerado.
II. O vale para refeição, fornecido por força do contrato de trabalho, tem caráter salarial,
integrando a remuneração do empregado, para todos os efeitos legais.
III. O tempo de serviço não superior a dois anos para fins de equiparação salarial é contado no
emprego.
IV. As diárias de viagem que excedam a 50% (cinquenta por cento) do salário do empregado
integram a sua remuneração, pelo seu valor total e para efeitos indenizatórios, enquanto
perdurarem as viagens.
V. A parcela denominada "quebra de caixa", recebida pelos bancários, possui natureza salarial e
integra o salário do empregado para todos os efeitos legais.
a) todas as proposições são corretas
b) somente as proposições I, III e IV são corretas
c) somente as proposições II, IV e V são corretas
d) somente as proposições II, III e IV são corretas
e) todas as proposições são incorretas

e...

57) Assinale a assertiva (“a” a “e”) correta em relação aos enunciados de I a V,
observadas a legislação pertinente e a consolidação jurisprudencial do c. TST:
I – As gorjetas, sejam cobradas pelo empregador na nota fiscal ou oferecidas
espontaneamente pelos clientes, integram a remuneração do empregado, como sumulado pelo c.
TST, em sintonia com o caput do art. 457 da CLT.
II – O adicional por tempo de serviço integra o cálculo da gratificação prevista no art. 224, § 2º
da CLT, na forma consolidada em súmula do c. TST.
III – A parcela paga aos bancários sob a denominação “quebra de caixa” possui natureza
salarial, integrando o salário do prestador de serviços, para todos os efeitos legais, de acordo
com entendimento sumulado do c. TST.
IV – O adicional noturno deve compor a base de cálculo do adicional de periculosidade, já
que neste período o trabalhador permanece sob as condições de risco, em respeito à orientação
jurisprudencial do c. TST.
V – Ocorrendo a extinção do contrato de trabalho antes de 20 de dezembro, poderá o
empregador compensar eventual adiantamento da gratificação natalina realizado no respectivo
ano, limitada a compensação ao valor devido ao mesmo título.
a) somente um enunciado é verdadeiro
b) somente dois enunciados são verdadeiros
c) somente três enunciados são verdadeiros
d) somente quatro enunciados são verdadeiros
e) todos os enunciados são verdadeiros

Agradeço qualquer contribuição!
abs e sucesso!

Esdras
Tue, 03/08/10, 09:34 PM
Seu Madruga,

Bastante interessante e pertinente suas explicações sobre concursos.

gostei e sei que muitas coisas boas devemos extrair e não somente é ter estudo, mas a forma como aplicar o conhecimento faz a diferença.

Parabéns!

Cintia_
Wed, 04/08/10, 10:53 AM
vejam essa matéria: Analfabeto conta como fez para passar em concurso


"...ele disse que marcou as questões da prova como se estivesse jogando na loteria."

http://pe360graus.globo.com/noticias/cidades/interior/2010/04/29/NWS,512153,4,81,NOTICIAS,766-ANALFABETO-CONTA-FEZ-PASSAR-CONCURSO.aspx

:eek:

Amaral
Wed, 04/08/10, 11:41 AM
Quanto mais eu estudo, melhor eu fico no chute.

Oszíris
Thu, 05/08/10, 04:59 AM
eu não ia dar esse conselho genial , mas o teste de número 3 sempre é 'D' , pois o 3D , essa sigla está na mente das pessoas

Daniboy
Tue, 17/05/11, 04:20 PM
Muito bom o texto. Gostei muito.

Muito bem redigido e didático. A mensagem foi passada fielmente.

Betamoreira
Sun, 05/06/11, 09:48 PM
:smt043 Muito bom! Conferi com o gabarito da prova do icms-RJ, no geral deu certo, tiveram 20 "a", 19 "b", 20 "c", 20 'e', e uma foi anulada...

Embargo
Fri, 16/11/12, 10:34 PM
Merece um up. :smt116

seixas
Sat, 17/11/12, 11:38 AM
Muito bom texto.
So que tem examinador que parece o Messi, desequilibra, pq ja foi concurseiro ou vestibulando e um dia usou essas tecnicas e pensou desse jeito que os "safos" pensam e ai em 10 questoes a distribuiçao das alternativas e assimetrica.

O texto e excelente, muito bem escrito !
Madruga, lança um livro !

Abs !!!

jorgecassianojr
Tue, 27/11/12, 07:38 PM
http://br.noticias.yahoo.com/blogs/vi-na-internet/aluna-gabarita-prova-da-unesp-ap%C3%B3s-descobrir-sequ%C3%AAncia-193947463.html

Seu Madruga
Tue, 26/03/13, 07:45 PM
http://br.noticias.yahoo.com/blogs/vi-na-internet/aluna-gabarita-prova-da-unesp-ap%C3%B3s-descobrir-sequ%C3%AAncia-193947463.html

matéria interessante!!!

nordestino
Wed, 27/03/13, 12:19 AM
Essa é discípula do madruga. rsrs

Caverna2210
Sat, 13/04/13, 10:19 AM
Aconteceu algo parecido no concurso para PC e PM em Goiás. O concurso foi suspenso por suspeita de fraude. Também havia uma sequencia na prova inteira. Fica a dica: não custa nada dar uma olhadinha no espelho final do gabarito. hehehehe. Porém, a técnica do estudo ainda é a melhor saída, afinal, a técnica da prova pode mudar né?!

Pianim
Thu, 23/01/14, 03:42 PM
Boa tarde Seu Madruga... gostaria de saber se vc recomenda chutar em provas da CESPE e, caso positivo, como devemos fazer ... grato

pianim_sc@ig.com.br